Comunidade que reza unida permanece unida. Quem não reza...

Estamos nos aproximando do II Cerco de Jericó de Araraquara, momento único de Fé e louvor a Deus pela ressurreição de seu filho e pela vida que nos deu.

Este é um acontecimento que demonstra, mais do que nunca, o objetivo final daquele que se diz cristão ou cristã.

O querido beato João Paulo II escreveu em sua carta encíclica ‘A Igreja vive da Eucaristia’ que “a Eucaristia, construindo a Igreja, cria por isso mesmo comunidade entre os homens.”

O que ele quer dizer com isso?

 

É simples! Ao participar do Santo Sacrifício, comungar o corpo e sangue do Senhor, já me faz inerente à responsabilidade em, no mínimo, ser comunhão com aqueles que participam comigo do mesmo Santo Sacrifício.

Padre, é fácil ser igreja?

Não! O que é fácil não é de Deus. Esta prática nasce da vertente comunitária, de doação e convivência com os irmãos. "Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que leva à perdição, e muitos são os que entram por ela. Que estreita é a porta, e que apertado o caminho que leva para a vida, e que poucos são os que acertam com ela."(Mt 7,13-14).

Ser igreja, comungar e ser comunhão é estar em comum união com todos. É extremamente desfavorável à Igreja quando um grupo ou ministério se isola da vida comunitária criando, assim, sua própria ‘igreja’.

Assim sendo, quando comungo da Palavra e da Eucaristia e não dou importância à comunhão comunitária e com os irmãos estou praticando um grande pecado.

Que possamos refletir nossas ações e responsabilidades enquanto ser Igreja e uma das vertentes da Família São João tem sido extremamente a qualidade daquilo que cremos e anunciamos.